Menu

Adriana Calcanhotto - Letras e Músicas

Adriana Calcanhotto

Esquadros

Eu ando pelo mundo Prestando atenção em cores Que eu não sei o nome Cores de Almodóvar Cores de Frida Kahlo Cores! Passeio pelo escuro Eu presto muita atenção No que meu irmão ouve E como uma segunda pele Um calo, uma casca Uma cápsula protetora Ai, Eu quero chegar antes Pra sinalizar O estar

Adriana Calcanhotto

Inverno

No dia em que fui mais feliz Eu vi um avião Se espelhar no seu olhar até sumir De lá pra cá não sei Caminho ao longo do canal Faço longas cartas pra ninguém E o inverno no Leblon é quase glacial Algo que jamais se esclareceu Onde foi

Adriana Calcanhotto

Devolva-Me

Rasgue as minhas cartas E não me procure mais Assim será melhor, meu bem! O retrato que eu te dei Se ainda tens, não sei Mas se tiver, devolva-me! Deixe-me sozinho Porque assim Eu viverei em paz Quero que sejas bem feliz Junto do seu novo rapaz Rasgue as minhas cartas E não

Adriana Calcanhotto

Como Vai Você

Como vai você? Eu preciso saber da sua vida Peço alguém pra me contar sobre o seu dia Anoiteceu e preciso só saber Como vai você? Que já modificou a minha vida Razão de minha paz já esquecida Nem sei se gosto mais de mim ou de você Vem

Adriana Calcanhotto

Fico Assim Sem Você

Avião sem asa, fogueira sem brasa Sou eu assim sem você Futebol sem bola, Piu-piu sem Frajola Sou eu assim sem você Por que é que tem que ser assim Se o meu desejo não tem fim Eu te quero a todo instante Nem mil alto-falantes Vão poder falar por

Adriana Calcanhotto

Mais Feliz

O nosso amor não vai parar de rolar De fugir e seguir como um rio Como uma pedra que divide um rio Me diga coisas bonitas O nosso amor não vai olhar para trás Desencantar, nem ser tema de livro A vida inteira eu quis um verso

Adriana Calcanhotto

Vambora

Entre por essa porta agora E diga que me adora Você tem meia hora Pra mudar a minha vida Vem, vambora Que o que você demora É o que o tempo leva Ainda tem o seu perfume pela casa Ainda tem você na sala Porque meu coração dispara Quando tem o

Adriana Calcanhotto

Senhas

Eu não gosto do bom gosto Eu não gosto de bom senso Eu não gosto dos bons modos Não gosto (2x) Eu aguento até rigores Eu não tenho pena dos traídos Eu hospedo infratores e banidos Eu respeito conveniências Eu não ligo pra conchavos Eu suporto aparências Eu não gosto de

Adriana Calcanhotto

Mentiras

Nada ficou no lugar Eu quero quebrar essas xícaras Eu vou enganar o diabo Eu quero acordar sua família Eu vou escrever no seu muro E violentar o seu rosto Eu quero roubar no seu jogo Eu já arranhei os seus discos Que é pra ver se você volta Que

Adriana Calcanhotto

Medo de Amar N° 3

Você diz que eu te assusto Você diz que eu te desvio Também diz que eu sou um bruto E me chama de vadio Você diz que eu te desprezo Que eu me comporto muito mal Também diz que eu nunca rezo Ainda me chama de animal Você não

Adriana Calcanhotto

Alecrim

Alecrim, alecrim dourado Que nasceu no campo e não foi semeado. Alecrim, alecrim dourado Que nasceu no campo E não foi semeado. Foi meu amor Quem me disse assim Que a flor do campo É o alecrim. Foi meu amor Quem me disse assim Que a flor do campo É o alecrim.

Adriana Calcanhotto

Mulher Sem Razão

Saia desta vida de migalhas Desses homens que te tratam Como um vento que passou Caia na realidade, fada Olha bem na minha cara Me confessa que gostou Do meu papo bom Do meu jeito são Do meu sarro, do meu som Dos meus toques pra você mudar Mulher sem razão Ouve

Adriana Calcanhotto

Metade

Eu perco o chão Eu não acho as palavras Eu ando tão triste Eu ando pela sala Eu perco a hora Eu chego no fim Eu deixo a porta aberta Eu não moro mais em mim Eu perco as chaves de casa Eu perco o freio Estou em milhares de cacos Eu

Adriana Calcanhotto

Naquela Estação

Você entrou no trem E eu na estação Vendo um céu fugir Também não dava mais Para tentar Lhe convencer A não partir... E agora, tudo bem Você partiu Para ver outras paisagens E o meu coração embora Finja fazer mil viagens Fica batendo parado Naquela estação.... E o meu coração embora Finja fazer mil viagens Fica

Adriana Calcanhotto

Depois de Ter Você

Depois de ter você, Para que querer saber que horas são? Se é noite ou faz calor, Se estamos no verão, Se o sol virá ou não, Ou pra que é que serve uma canção como essa? Depois de ter você, poetas para quê? Os deuses, as dúvidas, Para

Adriana Calcanhotto

As Borboletas

Brancas Azuis Amarelas E pretas Brincam Na luz As belas Borboletas Borboletas brancas São alegres e francas Borboletas azuis Gostam muito de luz As amarelinhas São tão bonitinhas E as pretas, então Ó, que escuridão

Adriana Calcanhotto

Cariocas

Cariocas são bonitos Cariocas são bacanas Cariocas são sacanas Cariocas são dourados Cariocas são modernos Cariocas são espertos Cariocas são diretos Cariocas não gostam de dias nublados Cariocas nascem bambas Cariocas nascem craques Cariocas tem sotaque Cariocas são alegres Cariocas são atentos Cariocas são tão sexys Cariocas são tão claros Cariocas não gostam de sinal fechado

Adriana Calcanhotto

Negros

O sol desbota as cores O sol dá cor aos negros O sol bate nos cheiros O sol faz se deslocarem as sombras A chuva cai sobre os telhados Sobre as telhas E dá sentido as goteiras A chuva faz viverem as poças E os negros recolhem as roupas A

Adriana Calcanhotto

Oito Anos

Por que você é flamengo E meu pai botafogo? O que significa "impávido colosso"? Por que os ossos doem Enquanto a gente dorme? Por que os dentes caem? Por onde os filhos saem? Por que os dedos murcham Quando estou no banho? Por que as ruas enchem Quando está chovendo? Quanto é mil

Adriana Calcanhotto

Maresia (Se Eu Fosse Um Marinheiro)

O meu amor me deixou Levou minha identidade Não sei mais bem onde estou Nem onde a realidade Ah, se eu fosse marinheiro Era eu quem tinha partido Mas meu coração ligeiro Não se teria partido Ou se partisse colava Com cola de maresia Eu amava e desamava Sem peso e com