Menu

Braza - Letras e Músicas

Braza

Qual é o Rosto de Deus?

A trama do tempo, a carne viva e a ferida Não sei se a vida é justa, mas tá aí pra ser vivida Ninguém sabe a verdade, mas nunca será tarde Enquanto um problema for uma oportunidade Vento sudoeste que acinzenta a paisagem Trás a frente

Braza

Embrasa

E eu vou pra Maracangalha Bailar depois da batalha E eu vou pra Maracangalha Viver e fazer que valha Embrasa, sente em casa, que tá bom pra mim Passa bola, não enrola que hoje eu tô afim Abre a roda que tá foda, vai mexendo assim Arrasta a

Braza

Ela Me Chamou Pra Dançar um Ragga

Ela me chamou para dançar um ragga Que bom que ela mexeu com a pessoa errada Ela me chamou para dançar um ragga Que bom, meu Deus, que bom que ela mexeu Sumiu todo mundo, só nós no salão Colado sentia a sua respiração Suou a parede,

Braza

Além

Encontrar em si o além E transpor o mal e o bem Quando enxergo com amor A incerteza de quem sou Ergo os meus braços e meu coração Por cada grão E cada gota desse mar Glória à força viva que atua em mim! O bom e o ruim A

Braza

Selecta

Geral tá convocado hoje tem sessão Selecta ligado, faz a transição Cê é loko! Que bailado, desacreditei Só o nectar lançado, chama no delay O grave quanto bate levanta o mulão Quem tá perto da caixa sente mais a pressão Geral tá convocado hoje tem sessão É brisa,

Braza

Oxalá

Subi a escadaria para me benzer E pedi ajuda para Oxalá Consultei os astros para entender Lua cheia, eu me batizei no mar Habeas Corpus moral, apneia mental Imperativo espiritual O fogo queima, o coral corta Se não há risco a criatura é morta Só você pode se conhecer Seu

Braza

Ande

Ande Não pare de mexer pra pra que a massa não desande Confiante que Jah Jah nos guie e nos comande Coragem no incerto do universo que se expande Bora, nego! Bora que a Vida anda pra frente E se ficar pequeno pra gente A Caravana caminhará É

Braza

Subindo Santa

Não sei se foi o haxi, só sei que foi confuso Não sei se me permito, não sei se me abuso É um desalento doido, é uma coisa assim que dá Preciso me esvair, preciso vomitar Vida, milagre mesmo quando te estraçalha Krishna e arjuna estão

Braza

Segue o Baile

Escrevo porque não tenho o dom do freestyle Ela quebra, requebra, remexe ao som do timbale O agora é a única coisa que vale Se erra, conserta, volta pro tom, e segue o baile Escrevo porque não tenho o dom do freestyle Ela quebra, requebra, remexe

Braza

Jaya

Jaya! E se der sol de manhã, é praia E se der lua de noite, é faya! Minha fé, minha guardiã Fogo, que arde, que angustia Vida, milagre, que recria Tempo é remédio, anistia Certo é que não há garantia E eu, desconstruindo eu E nós Jaya! E se der sol de

Braza

Tijolo Por Tijolo

Lage de cimento, teto de estrela Sopra aquele vento pela janela Sob o firmamento posso encontrá-la Vê-la viva ali, naquela viela A carne é só a carne, e um dia apodrece Forte é a jangada, eterna é a prece Quando vê nascer, dentro do seu ser É justo

Braza

Pedro Pedreiro Parou de Esperar

Eu andei sem nada pelo mundo Eu dependi da classe mais pobre dos mais pobres Que vencedor que nada... Eu não tô aqui pra competir Quem é que disse que a vida é uma competição? Aí compete marido com mulher, vizinho com vizinho irmão com irmão,

Braza

Moldado Em Barro

Moldado em barro eu vim Pra varrer poeira, pra descer ladeira inteira É o que eu digo pra mim Lenha na fogueira, que ela é derradeira sim Com rima ou sem rima o refrão O sangue latino deixa genuíno o som Guerreiro na Babylon Talha seu destino, é

Braza

We Are Terceiro Mundo

Depois da bossa nova e do clichê tropical Muito mais do que novela, futebol e carnaval É a periferia multicultural Espontânea rebeldia de um Brasil marginal Polícia, milícia, medo e coerção Latifúndio da terra e da comunicação É o índio de Iphone, é o menino de Belém E

Braza

Chão Chão Terra Terra

Amor não tem sinônimo Alma não tem gênero Poder não é virtude E a vida é sopro efêmero Chão, chão. Terra, terra O ser humano erra Chão, chão. Terra, terra O ser humano erra Macaco semideus, que ama os seus E faz a guerra No vagão lotado, o artista improvisa Telas planas

Braza

Easy Road

Easy road Brother, there’s no easy road Easy road Brother, there’s no easy road Burning bright You know you got to burn bright Burning bright You know you got to burn Escorre pela mão, estilhaça pelo chão Vem o imponderável e te deixa sem Abraça a sorte, a morte não poupa

Braza

Exército Sem Farda

Não A nossa vitória não vai ser em vão O exército sem farda tá na contenção Sem líder, sem fronteira, só o coração One, each one teach one Each one teach one Se a nossa tropa cai, levanta e segue adiante Pelotão de frente, pensamento dissonante Marchamos calmamente, não

Braza

Racha a Canela

A noite vai e a estação dá o tom No funk, dub, ragga ou no reggaeton Racha canela e vai perdendo o batom E é só colar que aqui ninguém fica alone Então vem, vem trocar seu calor Pois, meu bem, não há tempo pra dor No

Braza

Tanto

Quanto Ele e ela e o gosto do encanto Puro acaso escrito entre tantos Deixa a vida unir ou separar Tanto, depois de um dia de gala Janeiro banhava a cidade Com o hálito fresco da noite E o céu tropical cintilava Saíram pra rua sorrindo O show prometia o

Braza

Easy Road – Tradução

Tradução - Easy Road Você confere agora a letra traduzida da música Easy Road, Braza. Na sequência você também encontrará a letra original. Estrada fácil caminho fácil Irmão, não há caminho fácil caminho fácil Irmão, não há caminho fácil Burning Bright Você sabe que tem que queimar brilhante Burning Bright Você