Menu

Djavan - Letras e Músicas

Djavan

Eu Te Devoro

Teus sinais me confundem da cabeça aos pés Mas por dentro eu te devoro Teu olhar não me diz exato quem tu és Mesmo assim eu te devoro Te devoraria a qualquer preço Porque te ignoro ou te conheço Quando chove ou quando faz frio Noutro plano, te

Djavan

Azul

Eu não sei Se vem de Deus Do céu ficar azul Ou virá Dos olhos teus Essa cor Que azuleja o dia Se acaso anoitecer E o céu perder o azul Entre o mar e o entardecer Alga marinha, vá na maresia Buscar ali um cheiro de azul Essa cor não sai de

Djavan

Se

Você disse que não sabe se não Mas também não tem certeza que sim Quer saber? Quando é assim, deixa vir do coração Você sabe que eu só penso em você Você diz que vive pensando em mim Pode ser, se é assim Você tem que largar a

Djavan

Linha Do Equador

Luz das estrelas Laço pro infinito Gosto tanto dela assim Rosa amarela Voz de todo grito Gosto tanto dela assim Esse imenso, desmedido amor Vai além de seja o que for Vai além de onde eu vou Do que sou, minha dor Minha Linha do Equador Esse imenso, desmedido amor Vai além que

Djavan

Nem Um Dia

Um dia frio Um bom lugar pra ler um livro E o pensamento lá em você Eu sem você não vivo Um dia triste Toda fragilidade incide E o pensamento lá em você E tudo me divide Um dia frio Um bom lugar pra ler um livro E o pensamento lá

Djavan

Boa Noite

Meu ar de dominador Dizia que eu ia ser seu dono E nessa eu dancei! Hoje no universo Nada que brilha cega mais que seu nome Fiquei mudo ao lhe conhecer O que vi foi demais, vazou Por toda selva do meu ser Nada ficou intacto Na fronteira de um

Djavan

Um Amor Puro

O que há dentro do meu coração Eu tenho guardado pra te dar E todas as horas que o tempo Tem pra me conceder São tuas até morrer E a tua história, eu não sei Mas me diga só o que for bom Um amor tão puro que

Djavan

Sorri

Sorri Quando a dor te torturar E a saudade atormentar Os teus dias tristonhos, vazios Sorri Quando tudo terminar Quando nada mais restar Do teu sonho encantador Sorri Quando o sol perder a luz E sentires uma cruz Nos teus ombros cansados, doridos Sorri Vai mentindo a tua dor E ao notar que tu sorris Todo

Djavan

Oceano

Assim que o dia amanheceu Lá no mar alto da paixão Dava pra ver o tempo ruir Cadê você? Que solidão! Esquecera de mim? Enfim, de tudo o que há na Terra Não há nada em lugar nenhum Que vá crescer sem você chegar Longe de ti tudo parou Ninguém

Djavan

Açaí

Solidão de manhã Poeira tomando assento Rajada de vento Som de assombração Coração Sangrando toda palavra sã A paixão puro afã Místico clã de sereia Castelo de areia Ira de tubarão, ilusão O sol brilha por si Açaí, guardiã Zum de besouro um ímã Branca é a tez da manhã Açaí, guardiã Zum de besouro um

Djavan

Sina

Pai e mãe, ouro de mina Coração, desejo e sina Tudo mais, pura rotina, jazz Tocarei seu nome pra poder falar de amor Minha princesa, art-nouveau Da natureza, tudo o mais Pura beleza, jazz A luz de um grande prazer É irremediável neon Quando o grito do prazer Açoitar o ar,

Djavan

Meu Bem Querer

Meu bem querer É segredo, é sagrado Está sacramentado Em meu coração Meu bem querer Tem um quê de pecado Acariciado Pela emoção Meu bem querer Meu encanto Estou sofrendo Tanto, amor E o que é o sofrer Para mim que estou Jurado pra morrer De amor?

Djavan

Flor de Lis

Valei-me, Deus É o fim do nosso amor Perdoa, por favor Eu sei que o erro aconteceu Mas não sei o que fez Tudo mudar de vez Onde foi que eu errei? Eu só sei que amei Que amei, que amei, que amei Será talvez Que minha ilusão Foi dar meu coração Com

Djavan

Se Acontecer

As estrelas brilham sem saber, Mas cada vez melhor Pois foi só você aparecer Todas desceram pra ver Você brilhar de cor. O que mais chamou minha atenção? Sua expressão sutil Isso eu já não posso esquecer Porque não foi só visão, O coração sentiu. A tenda da noite enche de

Djavan

Pétala

O seu amor Reluz Que nem riqueza Asa do meu destino Clareza do tino Pétala De estrela caindo Bem devagar Oh! meu amor! Viver É todo sacrifício Feito em seu nome Quanto mais desejo Um beijo, um beijo seu Muito mais eu vejo Gosto em viver Viver! Por ser exato O amor não cabe em si Por ser encantado O amor

Djavan

Cigano

Te querer Viver mais pra ser exato Te seguir E poder chegar Onde tudo é só meu Te encontrar Dar a cara pro teu beijo Correr atrás de ti Feito cigano, cigano, cigano Me jogar sem medir Viajar Entre pernas e delícias Conhecer pra notícias dar Devassar sua vida Resistir Ao que pode o pensamento Saber chegar

Djavan

Samurai

Ai Quanto querer Cabe em meu coração Ai Me faz sofrer Faz que me mata E se não mata, fere Vai Sem me dizer Na casa da paixão Sai Quando bem quer Traz uma praga E me afaga a pele Crescei, luar Pra iluminar as trevas Fundas da paixão Eu quis lutar Contra o poder do amor Caí nos pés

Djavan

Fato Consumado

Eu quero ver Você mandar na razão Prá mim não é Qualquer notícia Que abala o coração...(4x) Se toda hora é hora De dar decisão Eu falo agora No fundo eu julgo o mundo Um fato consumado E vou-me embora Não quero mais De mais a mais Me aprofundar Nessa história Arreio os meus anseios Perco o

Djavan

Sorriso de Luz

No primeiro olhar Deu pra imaginar Vai acontecer Tentei evitar Mas ao desviar Vi um céu de estrelas E ao sorrir, que luz Seu riso tem uma luz Que ninguém mais traduz Só o luar Chegou pra ficar, pra iluminar E me enlouquecer Ao se aproximar Não deu pra negar Não pude esconder Li no seu

Djavan

Lilás

Amanhã, outro dia Lua sai, ventania Abraça uma nuvem que passa no ar Beija, brinca e deixa passar E no ar de outro dia Meu olhar surgia Nas pontas de estrelas perdidas no mar Pra chover de emoção, trovejar Raio se libertou, clareou muito mais Se encantou pela cor lilás Prata