Menu

Ney Matogrosso - Letras e Músicas

Ney Matogrosso

Sangue Latino

Jurei mentiras E sigo sozinho Assumo os pecados Uh! Uh! Uh! Uh! Os ventos do norte Não movem moinhos E o que me resta É só um gemido Minha vida, meus mortos Meus caminhos tortos Meu Sangue Latino Uh! Uh! Uh! Uh! Minh'alma cativa Rompi tratados Traí os ritos Quebrei a lança Lancei no espaço Um grito, um

Ney Matogrosso

São Francisco

Lá vai São Francisco Pelo caminho De pé descalço Tão pobrezinho Dormindo à noite Junto ao moinho Bebendo a água Do ribeirinho. Lá vai São Francisco De pé no chão Levando nada No seu surrão Dizendo ao vento Bom dia amigo Dizendo ao fogo Saúde irmão. Lá vai São Francisco Pelo caminho Levando ao colo Jesuscristinho Fazendo festa No menininho Contando histórias Pros passarinhos. Lá

Ney Matogrosso

Poema

Eu hoje tive um pesadelo e levantei atento, a tempo Eu acordei com medo e procurei no escuro Alguém com seu carinho e lembrei de um tempo Porque o passado me traz uma lembrança Do tempo que eu era criança E o medo era motivo de

Ney Matogrosso

Bandoleiro

Fossem ciganos a levantar poeira A misturar nas patas Terras de outras terras, ares de outras matas Eu, bandoleiro, no meu cavalo alado Na mão direita o fado Jogando sementes nos campos da mente E se falasses magia, sonho e fantasia E se falasses encanto, quebranto e condão Não

Ney Matogrosso

Homem Com H

Nunca vi rastro de cobra Nem couro de lobisomem Se correr o bicho pega Se ficar o bicho come Porque eu sou é home Porque eu sou é home Menino eu sou é home Menino eu sou é home E como sou! Quando eu estava prá nascer De vez em quando

Ney Matogrosso

Pavão Misterioso

Pavão misterioso Pássaro formoso Tudo é mistério Nesse teu voar Ai se eu corresse assim Tantos céus assim Muita história Eu tinha prá contar...(2x) Pavão misterioso Nessa cauda Aberta em leque Me guarda moleque De eterno brincar Me poupa do vexame De morrer tão moço Muita coisa ainda Quero olhar... Pavão misterioso Meu pássaro formoso Tudo é mistério Nesse teu voar Ai

Ney Matogrosso

O Vira

O gato preto cruzou a estrada Passou por debaixo da escada E lá no fundo azul Na noite da floresta A lua iluminou A dança, a roda, a festa... Vira! Vira! Vira! Vira! Vira! Vira Homem Vira! Vira! Vira! Vira! Lobisomem Vira! Vira! Vira! Vira! Vira! Vira Homem Vira! Vira!... Bailam corujas e pirilampos Entre os sacis e

Ney Matogrosso

Tanto Amar

Amo tanto e de tanto amar acho que ela é bonita. Tem um olho sempre a boiar e outro que agita. Tem um olho que não está, meus olhares evita. E outro olho a me arregalar sua pepita. A metade do seu olhar está chamando

Ney Matogrosso

Balada do Louco

Dizem que sou louco por pensar assim Se eu sou muito louco por eu ser feliz Mas louco é quem me diz E não é feliz, não é feliz Se eles são bonitos, sou Alain Delon Se eles são famosos, sou Napoleão Mas louco é quem me

Ney Matogrosso

Veja Bem, Meu Bem

Veja bem, meu bem Sinto lhe informar que arranjei alguém pra me confortar. Este alguém está quando você sai E eu só posso crer, pois sem ter você nestes braços tais. Veja bem, amor. Onde está você? Somos no papel, mas não no viver. Viajar sem mim, me deixar assim. Tive

Ney Matogrosso

Rosa de Hiroshima

Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa de Hiroshima A rosa hereditária A rosa radioativa Estúpida e inválida A rosa com cirrose A anti-rosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa sem nada

Ney Matogrosso

Por debaixo dos Panos

O que a gente faz É por debaixo dos pano Prá ninguém saber É por debaixo dos pano Se eu ganho mais É por debaixo dos pano Ou se vou perder É por debaixo dos pano...(2x) É debaixo dos pano Que a gente não tem medo Pode guardar segredo De tudo que

Ney Matogrosso

Amor

Leve, como leve pluma Muito leve leve pousa Muito leve leve pousa Na simples e suave coisa Suave coisa nenhuma Suave coisa nenhuma Sombra silêncio ou espuma Nuvem azul que arrefece Simples e suave coisa Suave coisa nenhuma Que em mim amadurece Leve, como leve pluma Muito leve leve pousa Muito leve leve pousa... Tiriririp

Ney Matogrosso

Fala

Eu não sei dizer nada por dizer Então eu escuto Se você disser tudo o que quiser Então eu escuto Fala Lalalalalalalalalá Fala Se eu não entender, não vou responder Então eu escuto Eu só vou falar na hora de falar Então eu escuto Fala

Ney Matogrosso

Trenzinho do Caipira

Lá vai o trem com o menino Lá vai a vida a rodar Lá vai ciranda e destino Cidade e noite a girar Lá vai o trem sem destino pro dia novo encontrar Correndo vai pela terra vai pela serra, vai pelo mar Cantando pela serra ao luar Correndo entre

Ney Matogrosso

Noite Severina

Corre calma Severina noite De leve no lençol que te tateia a pele fina Pedras sonhando pó na mina Pedras sonhando com britadeiras Cada ser tem sonhos a sua maneira Cada ser tem sonhos a sua maneira Corre alta Severina noite No ronco da cidade uma janela assim

Ney Matogrosso

Mal Necessário

Sou um homem, sou um bicho, sou uma mulher Sou a mesa e as cadeiras desse cabaré Sou o seu amor profundo, sou o seu lugar no mundo Sou a febre que lhe queima mas você não deixa Sou a sua voz que grita mas

Ney Matogrosso

Primavera Nos Dentes

Quem tem consciência para ter coragem Quem tem a força de saber que existe E no centro da própria engrenagem Inventa a contra-mola que resiste Quem não vacila mesmo derrotado Quem já perdido nunca desespera E envolto em tempestade decepado Entre os dentes segura a primavera

Ney Matogrosso

Flores Astrais

Um grito de estrelas vem do infinito E um bando de luz repete o grito Todas as cores e outras mais Procriam flores astrais O verme passeia na lua cheia O verme passeia na lua cheia

Ney Matogrosso

Calúnias (Telma Eu Não Sou Gay)

Diz que vai dar, meu bem Seu coração pra mim Eu deixei aquela vida de lado E não sou mais um transviado (ref.) Telma, eu não sou gay O que falam de mim são calúnias, meu bem Eu parei . . . . . Não me maltrate assim não