Menu

Noel Rosa - Letras e Músicas

Noel Rosa

Com Que Roupa?

Agora vou mudar minha conduta Eu vou pra luta pois eu quero me aprumar Vou tratar você com a força bruta Pra poder me reabilitar Pois esta vida não está sopa E eu pergunto: com que roupa? Com que roupa que eu vou Pro samba que você me

Noel Rosa

Positivismo

A verdade, meu amor, mora num poço É Pilatos lá na Bíblia quem nos diz Que também faleceu por ter pescoço O autor da guilhotina de Paris A verdade, meu amor, mora num poço É Pilatos lá na Bíblia quem nos diz Que também faleceu por ter

Noel Rosa

Último Desejo

Nosso amor que eu não esqueço E que teve o seu começo Numa festa de São João Morre hoje sem foguete Sem retrato e sem bilhete Sem luar, sem violão Perto de você me calo Tudo penso e nada falo Tenho medo de chorar Nunca mais quero o seu beijo Mas

Noel Rosa

Palpite Infeliz

Quem é você que não sabe o que diz? Meu Deus do Céu, que palpite infeliz! Salve Estácio, Salgueiro, Mangueira, Oswaldo Cruz e Matriz Que sempre souberam muito bem Que a Vila Não quer abafar ninguém, Só quer mostrar que faz samba também Fazer poema lá na Vila

Noel Rosa

Conversa de Botequim

Seu garçom, faça o favor de me trazer depressa Uma boa média que não seja requentada Um pão bem quente com manteiga à beça Um guardanapo e um copo d'água bem gelada Feche a porta da direita com muito cuidado Que não estou disposto a ficar

Noel Rosa

Gago apaixonado

Mu-mu-mulher, em mim fi-fizeste um estrago Eu de nervoso estou-tou fi-ficando gago Não po-posso com a cru-crueldade da saudade Que que mal-maldade, vi-vivo sem afago Tem tem pe-pena deste mo-moribundo Que que já virou va-va-va-va-ga-gabundo Só só só só por ter so-so-sofri-frido Tu tu tu tu tu tu

Noel Rosa

Filosofia

O mundo me condena, e ninguém tem pena Falando sempre mal do meu nome Deixando de saber se eu vou morrer de sede Ou se vou morrer de fome Mas a filosofia hoje me auxilia A viver indiferente assim Nesta prontidão sem fim Vou fingindo que sou rico Pra

Noel Rosa

Pierrot Apaixonado

Um pierrô apaixonado Que vivia só cantando Por causa de uma colombina Acabou chorando, acabou chorando A colombina entrou num butiquim Bebeu, bebeu, saiu assim, assim Dizendo: pierrô cacete Vai tomar sorvete com o arlequim Um grande amor tem sempre um triste fim Com o pierrô aconteceu assim Levando esse grande

Noel Rosa

Feitiço da Vila

Quem nasce lá na Vila Nem sequer vacila Ao abraçar o samba Que faz dançar os galhos Do arvoredo e faz a lua Nascer mais cedo Lá, em Vila Isabel Quem é bacharel Não tem medo de bamba São Paulo dá café Minas dá leite E a Vila Isabel dá samba A vila

Noel Rosa

Pastorinhas

A estrela d'alva no céu desponta E a lua anda tonta com tamanho esplendor E as pastorinhas pra consolo da lua Vão cantando na rua lindos versos de amor Linda pastora morena da cor de madalena Tu não tens pena de mim Que vivo tonto com o

Noel Rosa

Fita Amarela

Quando eu morrer, não quero choro nem vela Quero uma fita amarela gravada com o nome dela Se existe alma, se há outra encarnação Eu queria que a mulata sapateasse no meu caixão Não quero flores nem coroa com espinho Só quero choro de flauta, violão

Noel Rosa

O Orvalho Vem Caindo

O orvalho vem caindo, vai molhar o meu chapéu e também vão sumindo, as estrelas lá do céu Tenho passado tão mal A minha cama é uma folha de jornal O orvalho vem caindo, vai molhar o meu chapéu e também vão sumindo, as estrelas lá

Noel Rosa

Três Apitos

Quando o apito da fábrica de tecidos Vem ferir os meus ouvidos Eu me lembro de você Mas você anda Sem dúvida bem zangada Está interessada Em fingir que não me vê Você que atende ao apito de uma chaminé de barro Porque não atende ao grito Tão aflito Da buzina

Noel Rosa

Mulher Indigesta

Mas que mulher indigesta!(Indigesta!) Merece um tijolo na testa Essa mulher não namora Também não deixa mais ninguém namorar É um bom center-half pra marcar Pois não deixa a linha chutar E quando se manifesta O que merece é entrar no açoite Ela é mais indigesta do que prato De

Noel Rosa

Onde Está a Honestidade?

Você tem palacete reluzente Tem jóias e criados à vontade Sem ter nenhuma herança nem parente Só anda de automóvel na cidade E o povo já pergunta com maldade: Onde está a honestidade? Onde está a honestidade? O seu dinheiro nasce de repente E embora não se saiba se

Noel Rosa

Você Só… Mente

Não espero mais você, pois você não aparece Creio que você se esquece das promessas que me faz E depois vem dar desculpas, inocentes e banais É porque você bem sabe Que em você desculpo Muitas coisas mais O que sei somente É que você é um ente Que

Noel Rosa

Feitio de Oração

Quem acha vive se perdendo Por isso agora eu vou me defendendo Da dor tão cruel desta saudade Que por infelicidade Meu pobre peito invade Por isso agora lá na penha Vou mandar minha morena Pra cantar com satisfação E com harmonia Esta triste melodia Que é meu samba em feito

Noel Rosa

Até Amanhã

Até amanhã se Deus quiser Se não chover eu volto pra te ver Oh, mulher! De ti gosto mais que outra qualquer Não vou por gosto O destino é quem quer Adeus é pra quem deixa a vida É sempre na certa em que eu jogo Três palavras vou

Noel Rosa

Pra Que Mentir?

Pra que mentir se tu ainda não tens Esse dom de saber iludir? Pra quê?! Pra que mentir Se não há necessidade de me trair? Pra que mentir, se tu ainda não tens A malícia de toda mulher? Pra que mentir se eu sei que gostas de outro Que

Noel Rosa

Não Tem Tradução

O cinema falado é o grande culpado da transformação Dessa gente que sente que um barracão prende mais que o xadrez Lá no morro, seu eu fizer uma falseta A Risoleta desiste logo do francês e do Inglês A gíria que o nosso morro criou Bem