Menu

Os Serranos - Letras e Músicas

Os Serranos

Tordilho Negro

Correu notícias de um gaúcho Lá da estância do paredão Tinha um cavalo tordilho negro Foi mal domado ficou redomão Este gaúcho dono do pingo Desafiava qualquer peão Dava o tordilho negro de presente Prá quem montasse sem cair no chão Eu fui criado na lida de campo Não acredito

Os Serranos

Lembranças

Quando as almas perdidas se encontram Machucadas pelo desprazer Um aceno, um riso apenas Dá vontade da gente viver São os velhos mistérios da vida Rebenqueados pelo dia a dia Já cansados de tanta tristeza Vão em busca de nova alegria. Já cansados de tanta tristeza Vão em busca de

Os Serranos

De Chão Batido

Em xucras bailantas de fundo de campo O fole e tranco vão acolherados O índio bombeia pro taco da bota E o destino galopa num sonho aporreado Polvadeira levanta entre o sarandeio E é lindo o rodeio de chinas bonitas Quem tem lida dura e a ideia

Os Serranos

Bailanta do Tibúrcio

Vou contar de uma bailanta que existiu no meu pontão Indiada do queixo roxo que nunca froxou o garrão Vinho curtido em barril e cachaça de borrachão Os gaiteiros que eram buenos davam a mostra do pano O Carlito e o Dezidério o Felicio e

Os Serranos

Mercedita

Que dulce encanto tienen Tus recuerdos mercedita Aromada, florecida Amor mio de una vez La conocí en el campo Allá muy lejos una tarde Donde crecen los trigales Provincia de Santa Fe Y así nació nuestro querer Con ilusión, con mucha fe Pero no se porque la flor Se marchitó y muriendo

Os Serranos

Céu Sol Sul

Eu quero andar nas coxilhas Sentindo as flechilhas das ervas do chão Ter os pés roseteado de campo Ficar mais trigueiro como o sol de verão Fazer versos cantando As belezas dessa natureza sem par E mostrar para quem quiser ver Um lugar pra viver sem chorar É o

Os Serranos

Eu Sou do Sul

Eu sou do sul, sou do sul É só olhar pra ver que eu sou do sul, sou do sul A minha terra tem um céu azul, céu azul É só olhar e ver Eu sou do sul É só olhar pra ver que eu sou

Os Serranos

Tertúlia

Uma chamarra uma fogueira Uma chinoca uma chaleira Uma saudade, um mate amargo E a peonada repassando o trago Noite cheirando a querência Nas tertúlias do meu pago. (REFRÃO) Tertúlia é o eco das vozes perdidas no campo afora Cantiga brotando livre novo prenúncio de aurora É rima sem

Os Serranos

Canto Alegretense

Não me perguntes onde fica o Alegrete Segue o rumo do teu próprio coração Cruzarás pela estrada algum ginete E ouvirás toque de gaita e violão Prá quem chega de Rosário ao fim da tarde Ou quem vem de Uruguaiana de manhã Tem o sol como uma

Os Serranos

Iguaria Campeira

Ao lonquear a carne gorda num churrasco mal passado dou um tombo na farinha pra enxugar o sangue escaldado oigalê bóia campeira prá um estradeiro estropiado no engraxar do bigode golpeio a guampa de canha dando um tempero especial às refeições da campanha. Vamo encostando a carreta talhando espeto em taquara campeio a

Os Serranos

Castelhana

Eu Hoje me Vou pra Fronteira Pois Queira ou Não Queira Vou Ver Meu Amor Esperei Toda a Semana Pra Ver a Castelhana Minha Linda Flor Tá Frio na Minha Cidade A Bem Da Verdade Está Frio Demais Ao Sul Do Meu Coração Quero Tempo Bom, Só Você

Os Serranos

Ala pucha tchê

(Ala pucha, tchê não se assustemo Que no perigo a bala vem nóis se abaixemo Ala pucha, tchê não se assustemo Que no perigo a bala vem nóis se abaixemo) Se a bala vem por baixo, eu salto pra cima Se a bala vem por cima,

Os Serranos

Criado Em Galpão

Nasci na pampa azulada e da minha terra eu sou peão Estampa de índio campeiro que foi criado em galpão Gosto do cheiro do campo e do sabor do chimarrão E de dobrar boi brabo a pealo nos dias de marcação Refrão Gosto de fazer um

Os Serranos

Baile Da Mariquinha

"mas olha lá quem vem chegando - olá sobrinho - tia mariquinha! - é verdade, de roupa nova!" às vezes vou me lembrando do baile da mariquinha do xote velho largado e da rancheira que vinha do café de chaleira que a cumadre me servia farofa e feijão mexido com uma quarta

Os Serranos

É Disso Que O Velho Gosta

Eu sou um peão de estância Nascido lá no galpão E aprendi desde criança A honrar a tradição Meu pai era um gaúcho Que nunca conheceu luxo Mas viveu folgado enfim E quando alguém perguntava Do que ele mais gostava O velho dizia assim: Churrasco, bom chimarrão Fandango, trago e mulher É disso

Os Serranos

Bugio Novo

Dos bugios que cantamos ao povo surgiu um novo contando lorotas E trazendo na mala de viagem a bagagem de mil anedotas Diz que veio de um pago distante onde o diabo perdeu suas botas Dos bugios que cantamos ao povo surgiu um novo

Os Serranos

Um Bagual Corcoveador

A tropa vinha estendida pastando no corredor Eu empurrava culatra e também fazia fiador Num bagual gordo e delgado arisco e corcoveador Que se assustava da estaca e da sombra do maneador É brabo a vida de um taura que só trabalha de peão Nisso uma

Os Serranos

Roubo da Gaita Velha

Perdi minha gaita velha nunca mais eu pude achar Por isso faço um apelo a quem minha gaita encontrar Devolvam minha gaita velha me façam esse favor Vivo das minhas idéias na função de cantador Para que fiquem sabendo do jeitoda gaita velha Tinha o som de abelha mestra trabalhando nas colméias Tinha

Os Serranos

Nossa Vanera

É na vaneira que eu vou pra sala De sapateio na madrugada Sou da fronteira nasci campeiro Sou bom de dança sou fandangueiro Esta vaneira Tem o jeitão dessa terra Tem a ginga da morena Nas manhãs de primavera Eu sou o canto da Siriema Nos dias quentes do meu

Os Serranos

Vou Pra Santa Catarina

Eu tô pensando em te deixar Minha terra a qualquer hora Não posso parar de pensar Em alguém que vive longe Longe de nós dois agora. Eu tô pensando em ser feliz E minha mãe quer uma nora Se eu encontrar eu volto logo Te confesso, ela me disse Sou

Os Serranos

Mercedita – Tradução

Tradução - Mercedita Você confere agora a letra traduzida da música Mercedita, Os Serranos. Na sequência você também encontrará a letra original. Mercedita Que doce encanto tem Tuas lembranças, Mercedita Perfumada, florzinha Amor meu de uma vez A conheci no campo Muito além, numa tarde Onde crescem os trigais Província de