Menu

Vinicius de Moraes - Letras e Músicas

Vinicius de Moraes

Soneto de Fidelidade

De tudo, ao meu amor serei atento antes E com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu

Vinicius de Moraes

Samba Em Prelúdio

Eu sem você não tenho porque porque sem você não sei nem chorar Sou chama sem luz jardim sem luar luar sem amor amor sem se dar E eu sem você sou só desamor um barco sem mar um campo sem flor Tristeza que vai tristeza que vem Sem você meu amor eu

Vinicius de Moraes

A Casa

Era uma casa Muito engraçada Não tinha teto Não tinha nada Ninguém podia Entrar nela, não Porque na casa Não tinha chão Ninguém podia Dormir na rede Porque na casa Não tinha parede Ninguém podia Fazer pipi Porque penico Não tinha ali Mas era feita Com muito esmero Na Rua dos Bobos Número Zero

Vinicius de Moraes

Eu Sei Que Vou Te Amar

Eu sei que vou te amar Por toda a minha vida, eu vou te amar Em cada despedida, eu vou te amar Desesperadamente Eu sei que vou te amar E cada verso meu será Pra te dizer Que eu sei que vou te amar Por toda a minha vida Eu

Vinicius de Moraes

Samba da Bênção

É melhor ser alegre que ser triste Alegria é a melhor coisa que existe É assim como a luz no coração Mas pra fazer um samba com beleza É preciso um bocado de tristeza É preciso um bocado de tristeza Senão, não se faz um samba não Senão

Vinicius de Moraes

Soneto do Amor Total

Amo-te tanto, meu amor... não cante O humano coração com mais verdade... Amo-te como amigo e como amante Numa sempre diversa realidade Amo-te afim, de um calmo amor prestante E te amo além, presente na saudade Amo-te, enfim, com grande liberdade Dentro da eternidade e a cada instante Amo-te

Vinicius de Moraes

Minha Namorada

Se você quer ser minha namorada Ah, que linda namorada Você poderia ser Se quiser ser somente minha Exatamente essa coisinha Essa coisa toda minha Que ninguém mais pode ser Você tem que me fazer um juramento De só ter um pensamento Ser só minha até morrer E também de não

Vinicius de Moraes

Poema Enjoadinho

Filhos... Filhos? Melhor não tê-los! Mas se não os temos Como sabê-los? Se não os temos Que de consulta Quanto silêncio Como os queremos! Banho de mar Diz que é um porrete... Cônjuge voa Transpõe o espaço Engole água Fica salgada Se iodifica Depois, que boa Que morenaço Que a esposa fica! Resultado: filho. E então começa A aporrinhação: Cocô está branco Cocô

Vinicius de Moraes

Canto de Ossanha

O canto da mais difícil E mais misteriosa das deusas Do candomblé baiano Aquela que sabe tudo Sobre as ervas Sobre a alquimia do amor Deaaá! Deeerê! Deaaá! O homem que diz dou Não dá! Porque quem dá mesmo Não diz! O homem que diz vou Não vai! Porque quando foi Já não quis! O homem

Vinicius de Moraes

Berimbau

Quem é homem de bem Não trai! O amor que lhe quer Seu bem! Quem diz muito que vai Não vai! Assim como não vai Não vem!... Quem de dentro de si Não sai! Vai morrer sem amar Ninguém! O dinheiro de quem Não dá! É o trabalho de quem Não tem! Capoeira que é bom Não cai! E

Vinicius de Moraes

O Pato

Quén! Quen! Quén! Quen! Quén! Quen! Quén! Quen! Quén! Quen! Quén! Quen! Quén! Quen! Quén! Quen! Lá vem o Pato Pata aqui, pata acolá Lá vem o Pato Para ver o que é que há Lá vem o Pato Pata aqui, pata acolá Lá vem o Pato Para ver o que é

Vinicius de Moraes

Garota de Ipanema

Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça É ela, menina, que vem e que passa Seu doce balanço, caminho do mar Moça do corpo dourado, do sol de Ipanema O seu balançado é mais que um poema É a coisa mais linda que eu

Vinicius de Moraes

Rosa de Hiroshima

Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa de Hiroshima A rosa hereditária A rosa radioativa Estúpida e inválida A rosa com cirrose A anti-rosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa, sem nada

Vinicius de Moraes

A Foca

Quer ver a foca Ficar feliz? É pôr uma bola No seu nariz Quer ver a foca Bater palminha? É dar a ela Uma sardinha Quer ver a foca Comprar uma briga? É espetar ela Bem na barriga Lá vai a foca Toda arrumada Dançar no circo Pra garotada Lá vai a foca Subindo a escada Depois descendo Desengonçada Quanto trabalha A

Vinicius de Moraes

Chega de Saudade

Vai minha tristeza E diz a ela que sem ela não pode ser Diz-lhe numa prece Que ela regresse Porque eu não posso mais sofrer Chega de saudade A realidade é que sem ela Não há paz não há beleza É só tristeza e a melancolia Que não sai de

Vinicius de Moraes

Tarde Em Itapoã

Um velho calção de banho O dia pra vadiar Um mar que não tem tamanho E um arco-íris no ar Depois na praça Caymmi Sentir preguiça no corpo E numa esteira de vime Beber uma água de coco É bom Passar uma tarde em Itapuã Ao sol que arde em Itapuã Ouvindo

Vinicius de Moraes

Onde Anda Você

E por falar em saudade Onde anda você Onde andam os seus olhos Que a gente não vê Onde anda esse corpo Que me deixou morto De tanto prazer E por falar em beleza Onde anda a canção Que se ouvia na noite Dos bares de então Onde a gente ficava Onde a

Vinicius de Moraes

Regra Três

Tantas você fez que ela cansou Porque você, rapaz Abusou da regra três Onde menos vale mais Da primeira vez ela chorou Mas resolveu ficar É que os momentos felizes Tinham deixado raízes no seu penar Depois perdeu a esperança Porque o perdão também cansa de perdoar Tem sempre o dia

Vinicius de Moraes

Como Dizia o Poeta

Quem já passou Por esta vida e não viveu Pode ser mais, mas sabe menos do que eu Porque a vida só se dá Pra quem se deu Pra quem amou, pra quem chorou Pra quem sofreu, ai Quem nunca curtiu uma paixão Nunca vai ter nada, não Não há

Vinicius de Moraes

O Relógio

Passa, tempo, tic-tac Tic-tac, passa, hora Chega logo, tic-tac Tic-tac, e vai-te embora Passa, tempo Bem depressa Não atrasa Não demora Que já estou Muito cansado Já perdi Toda a alegria De fazer Meu tic-tac Dia e noite Noite e dia Tic-tac Tic-tac Dia e noite Noite e dia