Menu

Yzalú - Letras e Músicas

Yzalú

Jesus Chorou

O que é, o que é? Clara e salgada, Cabe em um olho e pesa uma tonelada. Tem sabor de mar, Pode ser discreta. Inquilina da dor, Morada predileta. Na calada ela vem, Refém da vingança, Irmã do desespero, Rival da esperança. Pode ser causada por vermes e mundanas Ou pelo espinho da

Yzalú

E Agora!!!

Eu quero fazer arte, mas sou medíocre pra isso Com, a lucidez de quem viu que pra isso Tem que ser um gigante Muito estudo e treino só pra ser iniciante Por isso, bebo de Fela Kuti a Bethoveen, e Vocês discustem o que ouvem, ou Abraçam

Yzalú

Oitavo Anjo

Acharam, que eu estava derrotado, Quem achou estava errado, Eu voltei, to aqui, se liga só, escuta aí: Ao contrário do que você queria, to firmão, to na correria, Sou guerreiro e não pago pra vacilar, Sou vaso ruim de quebrar, oitavo anjo, do apocalipse, tenebroso, como

Yzalú

Camin

Não atravessa meu camin Se não respeitá se não sabe chegar, é Eu vou brindar com meu patuá Yza é quem recita tua brisa Conscientiza vê aí quem duvida negou Lá quem vai à luta tem que ser ligeiro Quem souber me diga como é ter Evolução, construção,

Yzalú

Mulheres Negras

Enquanto o couro do chicote cortava a carne A dor metabolizada fortificava o caráter A colônia produziu muito mais que cativos Fez heroínas que pra não gerar escravos, matavam os filhos Não fomos vencidas pela anulação social Sobrevivemos à ausência na novela, no comercial O sistema pode

Yzalú

Rua Augusta

As maquiagem forte esconde os hematoma na alma aguarde... Fumando calma ela observa os faróis que vem e vão Viver em vão, os que vem e não te tem São, se necessário, homem de bem, fujão Que não aguentou ser solitário A mesma grana que compra

Yzalú

É o Rap Tio

#ÉoRapTio que me tirou do Mundo Frio Sem vacilar, vou fazendo o meu na lutá Escutando um som e se pá, me ligando onde pisá Eu sou de Ketu também, e não há o que me derrubá Ah, se um dia nóis, quizesse nóis, armado

Yzalú

Musica Periférica Brasileira

Minhas cordas vocais são marginais Quero fazer arranjos periféricos que soem mais Ser a voz do gueto, canção de preto, sem querer segregar Ser a voz do gueto, canção de preto, sem querer segregar Sou musica periférica brasileira Falo pros manos big, pras mina raga Pra todas

Yzalú

Desculpa Mãe

Mãe, não dei valor pro teu sonho, sua luta Diploma na minha mão, sorriso, formatura Não fui seu orgulho, diretor de empresa Virei o ladrão com a faca que mata com frieza Não mereci sua lágrima no rosto Quando chorava vendo a panela sem almoço Vendo a

Yzalú

Campo de Guerra

Me tiraram a paz quebraram a trégua Transformaram nossa vila num campo de guerra Só se sabemos de tudo e não sabemos de nada No ozem da vila vejo diversas paradas É o ponto de encontro da rapa local Onde exibem seus artigos seus veículos são

Yzalú

Negro Drama

Daria um filme, Uma negra, E uma criança nos braços, Solitária na floresta, De concreto e aço, Veja, Olha outra vez, O rosto na multidão, A multidão é um monstro, Sem rosto e coração, Hey, São paulo, Terra de arranha-céu, A garoa rasga a carne, É a torre de babel, Famíla brasileira, Dois contra o mundo, Mãe solteira, De

Yzalú

Aquele Menino

Eu olhei aquele menino esmolar No mesmo farol às sete horas da manhã e quem que perceberá Ele passa pedindo uns trocados pro café De pés descalços enxerguei, os carros ignorar Volta pro inicio Só que tudo bem, é só mais um não é ninguém E pra

Yzalú

8 de Março

Eu que não sou mulher Apenas em 8 de março Eu também uso meus braços Pra lutar nessa guerrilha Eu que não sou Anita Hilda furacão nem acho Traço de antepassado (meu) na capa de revista Eu que não tenho cifras Falo a língua do meu povo De sorriso verdadeiro Brasileira brasileiro Eu

Yzalú

Resgate

Olhei pra tras, percebi quanto tempo perdi Agora aqui por ti, declamo meu amor E por favor, não faça desse puro sentimento Um dia ser tornar fel ou doce veneno Em tanto sofrimento que a vida me ofertou Eu agradeço ao Senhor pela dignidade Embora quem achou

Yzalú

Teu Sorriso

(Yzalu) Toda vez que nos olhamos Eu sintonizo ideias positivas pra você Tentar somar, te convencer a acreditar em si Tudo que desejo é que fiquemos juntos Na eternidade, sinceridade, esse é o meu mundo Lá no fundo eu te quero aqui, mas não penso nisto e

Yzalú

Banda do Gueto

Banda do gueto que acabou de chegar Refaz essa harmonia que eu quero ficar Banda do gueto que acabou de chegar Refaz essa harmonia que eu quero ficar no teu gosto disposto, É zumbi Na senzala que espalha, fala quilombola com seu povo Pela arte do palmares

Yzalú

Lá Fora

Lá fora acontece de tudo, E eu não me iludo, Tudo tão confuso mais eu desconfio, Meu universo é profundo, não é vazio Me desligo agora Mas meu bem não demora já faz tempo Que as horas se passaram e eu não sei Se você vem mais to

Yzalú

Cabeça de Nego

O nego não para no tempo não, Suas origens vem de angola a um bom tempo Saboti zil, brasil bem brasil no rio do verdinho cabeça de nêgo! Desfecho conforme, vive o vento se mostra respeito pro povo Um ofenso, universo protetor do louro, que

Yzalú

A Paz Está Morta

Ontem à noite ouvi os tiros, sirene de polícia Amanhece a rotina, me traz outra carnificina Em lágrima de mãe, filho ensangüentado Um bar em cada esquina, sempre caixão lacrado Não vejo mais crianças felizes brincando no parque Agora estão com ódio no peito, com uma

Yzalú

Minha Bossa É Treta

Assino iniciais como denuncia abusa quem usa Ofusca e fuça a moral confusa Abrilhanta a revolução Contida em opressão jão Não é pros fraco não A coragem desce com gelo e limão, com gelo e limão, facilita a digestão Pra agachar de vinte em vinte Desipe que não